As "cidades do futuro" pretendem ser verdes, sustentáveis, inteligentes e low cost. Isto já existe. Chama-se "Campo". Frederico Lucas

Tuesday, September 05, 2006

Lisboa mais pobre


LISBOA foi a região da Europa que mais empobreceu entre 2001 e 2003. De acordo com as estatísticas para as regiões NUTS II divulgadas na passada segunda-feira pelo Eurostat, o produto interno bruto (PIB) «per capita» em paridade de poderes de compra da região da capital portuguesa foi o que mais se afastou da média europeia neste período.

A riqueza média por habitante recuou 11 pontos percentuais e estava, no final de 2003, nos 104,3% da União Europeia. Este valor é mesmo inferior ao registado oito anos antes, em 1995, quando o PIB «per capita» da região de Lisboa representava 106,6% do nível médio europeu.

Um recuo que, em larga medida, se deve ao fraco desempenho económico português ao longo destes três anos. A economia nacional apresentou um acentuado abrandamento a partir de 2001 e, em 2003, entrou mesmo em recessão com uma contracção do produto de 1,1%. Embora Lisboa esteja acima da média da União Europeia alargada, continua abaixo da média dos Quinze e ainda muito longe das regiões mais ricas do Velho Continente. No topo da lista está a região de Bruxelas com quase três vezes o PIB por habitante da média da UE (277%). Igualmente bem classificados no «ranking» dos mais ricos da União Europeia estão as regiões do Luxemburgo, Paris, Londres e Hamburgo que apresentam todas níveis de riqueza «per capita» acima do dobro da média.

Entre as zonas mais dinâmicas da Europa destacam-se quatro regiões gregas a crescer mais de 10 pontos percentuais da média europeia entre 2001 e 2003, o Luxemburgo que registou o maior aumento neste período e a zona de Bratislava, na Eslováquia, cujo rendimento «per capita» ganhou 8,9 pontos percentuais à média europeia.

Os problemas económicos nacionais não se esgotam, no entanto, na região de Lisboa que continua a ser, apesar de tudo, a mais rica de Portugal. Na lista das dez maiores divergências entre 2001 e 2003 estão mais três zonas portuguesas, nomeadamente Algarve, Norte e Centro que apresentaram diminuições do PIB por habitante em percentagem da média europeia de, respectivamente, 6,5%, 6,4% e 5,8%.

No conjunto das cinco regiões portuguesas continentais consideradas na classificação NUTS II, que correspondem às áreas de Coordenação Regional e que são consideradas para efeitos de fundos comunitários, apenas o Alentejo não está entre as mais afectadas. A região alentejana perdeu, ainda assim, quase 6 pontos percentuais face à média europeia e apenas ultrapassava os Açores e o Norte no final de 2003, em termos de riqueza criada por habitante. Os Açores e a Madeira também se afastaram da Europa entre 2001 e 2003. O arquipélago presidido por Alberto João Jardim passou de um PIB «per capita» de 92,3% em 2001 para 90,4% em 2003, enquanto nos Açores a queda foi de 64,5% para 61,1% nestes três anos.

Na Península Ibérica, só as sete regiões portuguesas - as cinco do continente e as duas autónomas - e uma espanhola divergiram da média europeia . Tudo isto devido ao elevado dinamismo da economia espanhola que, ao contrário de Portugal que tem estado praticamente estagnado, tem apresentado taxas de crescimento acima dos 3% nos últimos anos.

Apesar do tombo da região de Lisboa, a zona da capital continua bastante distante das restantes nacionais e a ser uma das mais ricas da Península Ibérica. Na desagregação NUTS III, que divide Portugal em quase trinta regiões, a zona de Lisboa apresenta um rendimento acima de 120% da média europeia e ultrapassa mesmo cidades como Barcelona.

in EXPRESSO, João Silvestre

2 comments:

al cardoso said...

Esperemos que a tao propalada retoma, que este governo diz estar a acontecer, possa parar ou inverter esta tendencia, para bem de todas as regioes portuguesas e as gentes que la residem.

Faco tambem votos, que uma regionalizacao a serio se faca quanto antes.

Um abraco fornense.

mao morto said...

Então este empobrecimento de Lisboa e Vale do Tejo é relativo, e não absoluto.

Terá eventualmente que ver com o facto de a Região, devido ao facto de, há uns anos, ter perdido o direito à atribuição de uma fatia substancial dos fundos de coesão (se bem me recorso, penso que foi quando ultrapassou os 75% da média da UE - 15). A região tornou-se "demasiado rica" para poder obter esses fundos, o que levou a que alguns concelhos da periferia de LVT(Bombarral? e outros) "debandassem" para a Região Centro, para que passassem a poder receber os famigerados fundos.