As "cidades do futuro" pretendem ser verdes, sustentáveis, inteligentes e low cost. Isto já existe. Chama-se "Campo". Frederico Lucas

Friday, December 01, 2006

Criação de Emprego

Há uma área profissional onde não existe desemprego. Trata-se do sub sector "Call Centers", do sector quaternário da economia: Comunicação e Informação.

Estas unidades empresariais podem ser instaladas em qualquer parte do Mundo, sendo as regiões de menor custos as preferênciais para instalação.




"(...)Segundo Roberto Meir (Presidente da Associação Brasileira das Relações Empresa Cliente, Brasil), o governo de Lula da Silva tem como objectivo criar 120,000 novos empregos no Brasil durante 2007, 25% dos quais na área dos Contact Centers."

2 comments:

Dimensão Oculta said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Dimensão Oculta said...

Posso dizer-te caro Frederico que os passos que esta empresa esta a dar em Setúbal se assemelham aos dados por alguém que apanhou uma daquelas bebedeiras.
Setúbal foi escolhida porque o desemprego é alto, sendo fácil trocar a malta.Tal como o gestor daquele centro disse "alinhamos os vínculos aos contratos que temos com os nossos clientes".
Esta perspectiva já foi ultrapassada, no entanto em Setúbal é novidade e pode parecer correcta.
O paraíso apregoado pelos colaboradores, transformou-se em trovoada, exploração, pagamentos fora de horas despedimentos sem motivo etc..
Actualmente o que os Call Centers de excelência vendem, é a qualidade das suas equipas e a forma como estas se adaptam a diferentes clientes.
Alguém imaginou em Portugal, que as chamadas mais técnicas da TV Cabo, Cabovisão, Optimus, TMN e Vodafone possam ser atendidas no mesmo Call Center?
Claro que não.
Mas isso é possível na Irlanda.Não ainda com os operadores Irlandeses mas com empresas internacionais.
O sigilo a que estou obrigado impedem de ir um pouco mais além, mas fica a ideia para Trancoso.
É que para além de serem necessárias empresas nesse concelho, convém que os intervenientes sejam de alto nível.
Desta forma o impacto económico não terá por base os "precários".