As "cidades do futuro" pretendem ser verdes, sustentáveis, inteligentes e low cost. Isto já existe. Chama-se "Campo". Frederico Lucas

Wednesday, February 24, 2010

Jovens com ideias para a Guarda


São jovens, da Guarda ou que se fixaram por cá, e querem fazer alguma coisa para mudar o rumo da cidade e do distrito. O diagnóstico é claro: «A situação é complicada em virtude da crise e dos problemas da interioridade», refere Tiago Gonçalves, que espera que os associados da Ideias.Guarda não se resignem a este estado de coisas. «Não podemos deixar o ónus aos políticos e às entidades públicas, também nós temos que dar contributos para o crescimento da região», acrescentou o presidente daquela associação apresentada formalmente na passada quinta-feira no auditório do IPJ.

Trata-se de uma organização sem fins lucrativos de jovens empreendedores nos domínios económico, social, cultural e até desportivo. «É importante criar mais oportunidades, mais emprego e empresas. Obviamente que não há uma varinha do condão que permita mudar o estado de coisas, mas penso que a nossa intervenção junto dos jovens para fomentar uma ideia de empreendedorismo poderá ajudar, pois só sendo empreendedores é que poderemos mudar o rumo dos acontecimentos e criar mais-valias para a cidade», sustentou o dirigente. Contando com cerca de 20 sócios fundadores, a Ideias-Guarda está agora aberta a mais inscrições, inclusive de empresas. E para divulgar a associação nos próximos meses vai ser feita uma recolha de livros para entregar a IPSS, um concurso de fotografia e tertúlias sobre o distrito. Na calha estão ainda passeios para detectar oportunidades de negócio, exposições com jovens artistas plásticos da região, a realização de uma bolsa de ideias empresariais e uma feira do empreendedorismo.

Tiago Gonçalves anuncia igualmente que a Ideias.Guarda será «uma plataforma de apoio a todas as iniciativas que sejam boas para a cidade». Nesse sentido, falando pelos seus pares, o presidente da direcção assume a ambição de «mudar a Guarda e o distrito», tarefa para a qual contam «com todos, sem excluir ninguém e sem espartilhos políticos». A associação não quer ser um lóbi, mas promete tentar influenciar os decisores para que «coisas boas» venham para a região, onde garantem haver oportunidades de negócio. Os entraves ao seu desenvolvimento por parte de jovens empreendedores são os do costume: o risco associado ao investimento e o financiamento. No entanto, o dirigente considera fundamental que se crie «um clima de competitividade e de crescimento» no distrito, pois «só assim se contribui para melhorar a região». Presente na sessão, Pedro Tavares, presidente do NERGA, saudou o surgimento da Ideias.Guarda, esperando colaboração e «não divisão, que é o grave problema desta cidade e distrito».

Por sua vez, Miguel Nascimento, delegado regional do Centro do IPJ, considerou ser «importante que o Estado não atrapalhe, mas é fundamental que a iniciativa privada avance sem cair na subsídio-dependência». A associação foi criada no final de 2009 e vai funcionar provisoriamente na sede da Federação Distrital das Associações Juvenis. Entre os seus membros destacam-se os professores, os engenheiros, os gestores e os arquitectos.


in O Interior, por Luis Martins

créditos imagem: Sofia Carvalho

Thursday, February 18, 2010

Beja, Bragança e Portalegre correm risco de desaparecer

Portugal "cada vez mais macrocéfalo" põe a maioria das cidades dependentes dos serviços públicos

Algumas capitais de distrito como Bragança, Portalegre ou Beja "estão perto de situações perigosas" num país cada vez mais macrocéfalo. Dependentes dos serviços do Estado, a sua pequena dimensão não lhes permite captar investimento privado. Portugal continua a ser Lisboa, o resto é paisagem. O centralismo "quase genético" ganhou novo alento com a União Europeia e globalização.

"É uma combinação explosiva", diz o geógrafo Álvaro Domingues. "Pequena escala misturado com pouca diversidade funcional", se falhar um sector, "pode ser o caos" em cidades como Bragança, Portalegre ou Beja. A grande dificuldade destas áreas urbanas é sobreviver sem a dependência do investimento público.

Uma universidade, por exemplo, reconhece o autarca de Bragança Jorge Nunes, seria contributo "muito importante" para a cidade. No entanto, não partilha da visão do geógrafo. "A cidade tem capacidade de se afirmar e tenta ganhar centralidade: 60% das exportações de Trás-os-Montes hoje são de Bragança."

O que define a centralidade, agora que se desfazem as fronteiras? "A presença do Governo e da administração pública", responde Álvaro Domingues. A globalização económica alterou a sede de decisão: tudo emigra para a capital - "e, se calhar, Lisboa dará lugar a Madrid". A sede da empresa EDP Renováveis, por exemplo, é em Oviedo, Espanha.

Responsável pela cadeira de Geografia, Território e Formas Urbanas, na Universidade do Porto, Álvaro Domingues lembra que Portugal sempre foi um "reino com cabeça que descentraliza pouco". Nunca nenhuma elite, "desde a Igreja à nobreza", teve poderes para inverter a regra.

"Superconcentrado" durante o Estado Novo, continua macrocéfalo. Não trava o despovoamento do interior: é um país "dependente" dos serviços públicos para sobreviver. "Vai a Coimbra, tira a universidade e os hospitais e ela afunda-se no meio do Mondego", diz Domingues - que define como "cidades do Estado" as capitais de distrito.

Para além de Aveiro e Braga, "com uma economia diversificada", existem apenas "cidades do Estado". Ou seja, sobrevivem graças aos serviços públicos, modernizados nas últimas décadas com os fundos que chegaram da União Europeia.

Mesmo assim, refere o docente da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, algumas capitais de distrito estão em situação muito difícil.

O presidente da Associação Nacional de Municípios subscreve as palavras do geógrafo. O País "é cada vez mais centralizado", e a tendência centralista "reforçou-se" com o Governo de José Sócrates. Fernando Ruas dá este exemplo: os presidentes das comissões de coordenação e desenvolvimento regionais (CCDR) "eram eleitos pelos autarcas da área correspondente, agora passaram as ser nomeados pelo Governo".

Foi também o Executivo socialista, refere Fernando Ruas, a retirar as câmaras municipais da participação no Instituto de Conservação da Natureza. Antes, os municípios tinham uma palavra na gestão das áreas protegidas.

in DN, Francisco Mangas